0800 899 8903

Bernardo prevê fibra ótica em 95% das cidades em 5 anos

Segundo ministro, país depende desse reforço de infraestrutura para aumentar a cobertura e a qualidade de transmissão e para reduzir os preços ao consumidor.

O ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, afirmou que 95% dos municípios brasileiros precisam ter cobertura com fibra ótica até os próximos quatro ou cinco anos.

Segundo ele, o país depende desse reforço de infraestrutura não só para aumentar a cobertura e a qualidade de transmissão, mas também para reduzir os preços ao consumidor.

“Acho que isso é uma coisa que tem que acontecer nos próximos quatro ou cinco anos, porque pela velocidade com que as coisas andam no Brasil, você não pode ficar sem infraestrutura”, declarou Bernardo, após participar da abertura do seminário internacional “A internet das coisas: Oportunidades e perspectivas da nova revolução digital para o Brasil”, promovido pelo BNDES.

O ministro ressaltou que a ausência de cobertura de fibra ótica é um problema que aflige não só as áreas rurais, mas também as periferias das grandes cidades. “Em Brasília, no plano piloto, você compra 10 MB por R$ 50,00, mais ou menos. Aí você vai na periferia, por menos de 1 MB, o pessoal paga R$ 80,00. Por quê? Porque não tem infraestrutura”, citou Bernardo.

Segundo ele, o ministério está discutindo a possibilidade de realização de investimentos para dar conta de implantação de infraestrutura. “Ou o governo faz, ou estimula o setor privado, mas é preciso fazer”, declarou.

Bernardo lembrou que o BNDES passou a aceitar recentemente pedidos de crédito pelo Finame para investimentos em fibra ótica. Segundo ele, cerca de cinco mil pequenos provedores de internet investiram R$ 1,5 bilhão apenas no ano passado.

“Se você tiver uma condição de fazer um financiamento para esse pessoal com os juros que o BNDES financia, que eu acho que são juros bem adequados, você tem condição de dobrar ou até triplicar esses investimentos. Nós conversamos com eles, e eles disseram que têm condição, têm demanda”, disse Bernardo.